Perguntas e Respostas

Câncer de bexiga

O que é?

Tumor maligno que acomete a parede interna da bexiga. O principal fator de risco é o tabagismo.
Associa-se risco ocupacional a partir de contato com tintas, e insumos agrícolas como venenos e
fertilizantes.

Geralmente indolor, manifesta-se por um sangramento na urina, sem dor, em pacientes mais
idosos (60-80 anos).

Como se faz o diagnóstico?

A ultrassonografia pode mostrar uma lesão sólida na bexiga. Indica-se então a visualização por
endoscopia desta lesão e remoção também por técnica endoscópica, com retirada dos
fragmentos e envio para exame anátomo-patológico.

Qual o tratamento?

O tratamento vai depender do grau de agressividade do tumor, do quanto invadiu a parede da
bexiga e da idade e condições clínicas do paciente. Pode-se realizar apenas a retirada
endoscópica de todo o tumor, que pode ser repetida quando necessário, ou ainda pode-se retirar
completamente a bexiga, substituindo-a por um pedaço de intestino.

Cálculo renal

O que é?

Conhecido como pedra nos rins, o cálculo renal tem se tornado cada vez mais frequente, e
acomete tanto homens quanto mulheres, principalmente a partir da 3ª década de vida.

Os sintomas ocorrem principalmente quando o cálculo sai do rim e entra no ureter, causando
dilatação acima e levando a intensas dores em cólica, principalmente em região lombar,
irradiando para frente e para baixo até o escroto ou grandes lábios. A dor frequentemente é de
tão forte intensidade que pode causar sudorese, náuseas, vômitos e até desmaios (síncope).
Sangue na urina pode estar presente, visualizando-se uma urina mais escura e
avermelhada/amarronzada ou aumentado no exame de urina tipo 1.

Como se faz o diagnóstico?

O melhor exame para se visualizar os cálculos é a tomografia computadorizada. A associação de
ultrassonografia e Rx de abdome pode substituí-la, mas não com tanta eficiência. No exame de
urina geralmente observa-se aumento da quantidade de hemácias (sangue).

Qual o tratamento?

O tratamento vai depender da localização, do tamanho e da consistência do cálculo. No rim a
litotripsia extracorpórea é uma boa escolha para cálculos de até 2cm. A partir disso a cirurgia
percutânea passa ser a mais indicada. No ureter, a abordagem endoscópica, através do canal da
urina (uretra e ureter) é a mais realizada. Na bexiga os cálculos podem ser removidos
geralmente por acesso endoscópico, como no ureter.

Vale ressaltar que não há medicamento que dissolve pedra! Alguns chás oriundos da cultura
popular podem ajudar na prevenção da formação de novos cálculos (chá de quebra pedra), ou
ainda ajudando eliminar os cálculos por aumentar as contrações do ureter, porém faltam dados
científicos que estudem detalhadamente estes efeitos.

Bexiga hiperativa

O que é?

Necessidade urgente de urinar (urgência miccional), eventualmente com perda de urina
(urgeincontinência). Pode apresentar micção em curto intervalo de tempo e necessidade de
urinar à noite.

Como se faz o diagnóstico?

Além de uma boa conversa com o médico, e alguns exames básicos como o de urina 1,
utilizamos o chamado diário miccional, em que o paciente anota o volume de líquido que ingeriu
e o quanto urinou, o horário e a quantidade de cada micção, além dos sintomas de urgência e
perdas.

O Estudo urodinâmico é um exame extremamente útil nestes casos, pois auxilia na identificação
do padrão miccional do paciente, bem como o jogo de forças entre a bexiga e o esfíncter , e
pode dirigir o tratamento do quadro.

Qual o tratamento?

Micções de horário (a cada 2 ou 3 horas), adequação da ingestão de líquidos e evitar ingerir
cafeína (presente principalmente no café, chá preto, chá mate, refrigerantes cola e chocolate).
Além disso a fisioterapia pode ajudar, bem como o tratamento à base de remédios. Em casos
mais graves pode-se utilizar da injeção de toxina botulínica na bexiga.

Resp. Téc.: Dr. Edison Schneider | Urologista - CRM/SP 90777 - RQE - 71712

Nosso material tem caráter meramente informativo e não deve ser utilizado para realizar autodiagnóstico, autotratamento ou automedicação. Em caso de dúvidas, consulte o seu médico.

Desenvolvido por